Kostroma

Situada nas margens do Volga, na confluência com o rio Kostroma, é a cidade mais setentrional do Anel de Ouro. A cidade foi fundada em 1152 por Yuri Dolgoruky, também fundador de Moscou. Ela foi ocupada e destruída em várias ocasiões, inclusive pelos mongóis, tártaros e os piratas fluviais Novgorod. Depois do último ataque dos invasores poloneses, uma embaixada de Moscou ofereceu para Mikhail Romanov, que então vivia no Mosteiro Ipatiev em Kostroma, ser coroado Czar da Rússia, terminando assim o período tumultuoso, tornando-se o primeiro czar da dinastia Romanov. Os Romanov tomaram a cidade sob sua proteção e a visitaram inúmeras vezes ao longo da história, incluindo o último Czar: Nicolau II. A cidade desenvolveu-se como um grande centro comercial, num primeiro momento por causa de seu porto no Volga, e mais tarde com a criação da Companhia Moscóvia, que tinha o monopólio do comércio entre a Inglaterra e a Rússia, principalmente através do porto de Arcanjo. No século XVII, Kostroma foi a 3ª cidade da Rússia depois de Moscou e Yaroslavl. Em 1773 foi destruída por um terrível incêndio. Catarina, “a Grande”, decidiu então fazer de Kostroma um modelo de seu novo plano urbanístico, marcado fortemente pela arquitetura da cidade até hoje. O centro histórico tem-se mantido praticamente inalterado desde então, e possui um grande charme provincial com típicos “isbas” de madeira, alternando com elegantes edificios nos estilos barroco e neoclássico, e muitas outras atrações. Kostroma é o principal centro de produção têxtil e de jóias da Rússia. É também a residência de Snegurochka (“A Filha das Neves”), uma personagem de contos de fadas russos, neta e ajudante de Ded Moroz, o ” Papai Noel ” russo.

Passeio panorâmico por Kostroma. Descubra o plano urbanístico de Catarina, “a Grande”, que, segundo a lenda, abriu seu leque sobre o mapa da cidade para ilustrar o desenho radial que queria para suas ruas. Elas deveriam partir de um ponto central no Volga, onde hoje é a Praça Susanin. Neste local estão situadas suas principais atrações, como a Torre de Fogo, construída em 1827, a Casa da Guarda, o Palácio do General Borshov (1824), o Teatro do Drama (1863) e o Monumento a Mikhail Romanov. Poderemos encontrar também nesse local as famosas “Galerias Comerciais” de 1786, em estilo neoclássico. Elas foram construídas para centralizar o comércio na cidade e ajudar os comerciantes, mas também os cobradores de impostos. Cada uma delas foi dedicada a um ramo ou um produto específico: Galeria das Flores, do Leite, Tabaco, Azeite, Peixes e Doces. No andar de baixo se comprava e vendia, enquanto o primeiro andar foi usado para armazenagem. Por trás dos altos muros e torres imponentes do mosteiro da Epifânia, a calma vida monástica continua até hoje. Dentro da Catedral da Epifânia encontra-se o ícone bizantino do século X de Nossa Senhora de São Teodoro, supostamente milagrosa. A Igreja da Ressurreição das Florestas (Debra) serviu como uma loja de vegetais durante o período soviético e foi posteriormente restaurada.

Visita ao Mosteiro Ipatiev, construído em 1330 na junção dos Rios Volga e Kostroma. Foi amplamente fortificado e poderemos admirar suas muralhas do século XVI, com torres de vigia. É um dos poucos edifícios medievais que sobreviveram ao incêndio de 1773. Nele destaca-se a Catedral da Trindade, do século XVI, decorada com belos afrescos e iconostásios pintados por mestres como Nikitin e Savin. Também dentro do mosteiro fica o Palácio dos Romanov, construído no século XVII para Mikhail Romanov e sua mãe, que o usou como um refúgio e esconderijo durante a invasão da Polônia.  Nele foi coroado  Mikhail I como o primeiro czar dos Romanov.

Visita ao Museu de Arquitetura em Madeira. Localizado perto do mosteiro Ipatiev, num belo parque entre frondosas árvores e lagoas exuberantes, abriga 28 construções típicas da região: igrejas, casas, moinhos… A mais importante é, sem dúvida, a Catedral de Nossa Senhora (1552), a mais antiga igreja de madeira da Rússia.